Quando é mencionado o termo inovação a grande maioria sempre se entusiasma e vê do resultado da inovação algo fundamental para o ser humano, sempre ávido por novidades. Já os investidores percebem este como o caminho para geração de mais receita.

No entanto, as mesmas pessoas ávidas por novidades são muitas vezes aquelas que mais resistem às mudanças. Este paradoxo nos surpreende a cada nova solução que é apresentada ao mercado. Algumas inovações se tornam sucesso enquanto outras surpreendentemente não.  O índice de sucesso das inovações não passa dos 10%, valor este ratificado por algumas consultorias no Brasil e exterior.

Mas o que leva ao sucesso as soluções inovadoras?

Analisando a inovação como um processo pode ser observado os seguintes pontos:

-         Necessidade: a inovação precisa ser necessária para aqueles que serão seus potenciais compradores. Precisa fazer alguma diferença na vida destas pessoas, agregando valor que a diferencie das soluções já disponíveis.

-         Detalhada: a solução precisa ser detalhada e aprofundada. Os usuários da solução precisam sentir que alguém pensou nos mínimos detalhes para a inovação proposta. Inovações pela metade apenas estimulam o usuário e abre caminho para outros fazerem com maior nível de detalhe a solução proposta. Digo que uma solução é dita de sucesso quando passa pelo teste da hora da verdade do uso da mesma pelo cliente.

-         Acreditação: a começar pela equipe que construiu a solução inovadora, todos devem acreditar e transmitir esta confiança aos demais.  Acreditar significa estar convencido de que a solução apresentada gera de fato os resultados e agrega valor aos usuários da solução. A cada pessoa que acreditar profundamente na solução irá transmitir para pelo menos mais uma pessoa a sua percepção, criando assim um efeito multiplicador da solução.

-         Inesperada: a solução precisa agregar um valor inesperado para o adquirente. Algo que o surpreenda positivamente.

-         Diversidade: a solução deve romper o “status quo” e para tanto uma equipe multifuncional é um dos importantes elementos para o processo de criatividade e construção de soluções inovadoras.

E para o processo de criação por uma equipe devem ser observados os seguintes pontos:

-         A equipe deve ser multifuncional.

-         A liderança da equipe deve ser alguém que saiba lidar com pessoas, que transmita confiança e contribua para um dialogo aberto e livre.

-         Liberdade para expor ideias.

-         Capacidade de construção em equipe. Uma ideia sozinha pode não ajudar muito mas, quando agrupada com outra(s) pode ser a solução.

-         Processo caótico com foco.

-         Respeito às ideias das pessoas, impedindo o assédio moral a novas ideias.

Todos querem se ver como inovadores e estarem no topo da pirâmide tecnológica e de gestão mas, não é tão simples assim pois somos muitas vezes traídos por tudo que que já foi aprendido pelas pessoas. E a primeira coisa que vem na mente é: isso nunca foi feito – logo isso não é possível.

Portanto, inovar é difícil e dolorido e passa primeiro por uma transformação em cada um de nós que vem de dentro para fora. Vejam algumas mudanças que foram sucesso e que normalmente muitos diriam com certeza – isso nunca irá funcionar!

Massificar o acesso a informação de forma gratuita – Google (no final do século XX).

Popularização do uso de automóveis – Ford (no início do século XX)

Selecionar para compra e poder ouvir em qualquer lugar as musicas – Ipod (lançado em 2001)

Praticar jogos de forma interativa baseada em computador – Wii (lançado em 2006)

Atualmente temos práticas que promovem a inovação de uma forma estruturada e prática. No entanto, é importante estar atento às dicas apresentadas acima.

Prof. Martius Vicente RyR, pDSc. – Coordena o MBA de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos – UFF – Pós-doutorado pela UFRJ/Harvard Business School, MBA pelo MIT – Informações adicionais: http://lattes.cnpq.br/7037188590027119